Tags

 

 

Essa nao foi a primeira vez que estive no Egito. No começo de 2003 fiz um cruzeiro pelo Nilo e em seguida fiquei em Hurghada no Mar Vermelho por uma semana.

Naquela época em cometi o erro fatal de não me preparar em nada para esta viagem, os blogs não estavam bombando como hoje em dia e a viagem foi meio que decidida de última hora….. Por isso não cometam o mesmo erro que o meu e leiam muito sobre este país riquíssimo em história. Da pra curtir muito mais sabendo de mais detalhes do que aconteceu em cada templo por exemplo. Mesmo assim, aproveitei a viagem e fiquei contaminada pela Egitomania…. é difícil não resistir uma vez estando lá…. comprei vários livros durante a viagem,  nunca tinha me empolgado tanto pela história de um lugar mesmo depois de ter voltado. Só Efesus tinha me impressionado tanto.

 

 

Já naquela época já tinha me proposto em voltar mais uma vez e desta vez visitar Cairo que ficou faltando além do templo de Abu Simbel. Esta viagem foge ao meu esquema normal de preparar um roteiro, não gosto de pacotes e muito menos cruzeiros, mas o Egito ( o seu interior )  é um país de difícil acesso turístico começando com  a barreira da língua até ao perigo de ataques terroristas a turistas. Portanto, a melhor maneira de conhecer a antiga Tebas, seus templos até Assuan é definitivamente de navio. Esqueçam os transatlanticos de alto-mar, os “navios” do Nilo são mais parecidos com os nossos catamaras no Rio Amazonas.

 

 

 Aqui na Alemanha tem muitos pacotes para o Egito dos mais baratos por volta de 400 euros ( na maioria dos casos só pra ficar em alguma cidade na costa do Mar Vermelho ) até a pacotes mais requintados de 1700 euros incluindo uma passada pelo Monte Sinal e Petra na Jordania.

 Eu não gostei de Hurghada. Achei tudo muito artificial. Para quem nao gosta de mergulho e ficar o dia todo torrando no sol ( nós brasileiros nao precisamos ir ao Egito pra fazer isso…) achei meio furada…. Tem alguns passeios para “encher linguiça”  como visitar uma aldeia de beduínos no deserto e um pequeno “rally” no deserto também. O tal “deserto”  perto de Hugharda nao é aquele deserto com dunas e sim uma paisagem árida e rochosa o que também não deixa de ser interessante.

A maioria dos voôs que fazem o cruzeiro pelo Nilo aterrisam em Luxor e na sua grande maioria seguem basicamente o mesmo trajeto até Assuan.

Desta vez fiquei 4 dias em Cairo o que eu acho o ideal e uma semana no cruzeiro pelo Nilo, vou postando aos poucos tudo que vivenciei por lá.