Sem sombra de dúvida, as Pirâmides de Gizé são o ponto turístico mais visitado do Cairo. Imaginar que elas já reinam soberanas há quase 5000 anos é fascinante, afinal de contas elas são a única maravilha do mundo antigo que ainda estao de pé.

Não vou divagar aqui as milhões de teorias de como elas foram construídas, o fato é que é impressionante saber que tais monumentos com pedras maciças foram simetricamente postas sem ajuda de cimento.

Tudo foi milimetricamente planejado pelos “engenheiros” da época, cada lado da pirâmide aponta para os quatros pontos cardeais. Todo detalhe tem uma simbologia, o formato da pirâmide simboliza o caminho do faraó em direção ao sol ( Deus Ra ).

Há turistas até que já se arriscaram a subir até o topo ou pelo menos tentaram (nos últimos  200 anos cerca de 1000  morreram principalmente na descida), hoje em dia é proibido e quem ser pego tentando subir paga uma multa bem salgada.

As pirâmides e a esfinge estão numa área isolada cercada pela cidade por todos os lados. Vários vendedores de souviniers e homens com camelos e cavalos esperam ansiosos os turistas que não são poucos. Entretanto a  chegada as pirâmides pode ser meio frustrante, pois de acordo com todos os livros de história, a impressao que nós temos é que elas estão bem no meio do deserto o que era verdade no passado, mas não hoje em dia, em que a cidade cresce para todas as direções…. Logo em frente da Esfinge por exemplo a uns 500 metros já se pode comer num restaurante fast food.

 

Entretanto o governo está querendo desapropriar grandes áreas em volta das pirâmides pois há a grande possibilidade de achar vários tesouros arqueológicos ainda naquela região. Aliás este fato é também bem interessante, pois todos os guias falam a mesma coisa, muuuitos tesouros ainda estão debaixo da areia e só Deus sabe quando tudo será descoberto.

Três gerações de faraós: avô, pai e filho – Queóps, Quefren e Miquerinos com seus monumentos, que os iriam preparar para a “vida do outro lado”, formam as mais famosas pirâmides, mas de modo algum as únicas, existem ao todo cerca de 80 em todo o Egito.

Para os que não sofrem de claustofobia, pode-se entrar nas pirâmides. O calor lá dentro é insuportável, lá encontra-se o sarcófago do faraó e nada mais.

A Esfinge sofre muito com o smog egípcio. Em 1987 um bloco de 300 kg se desfez do ombro da estatua de 57 metros de pedra maciça. O governo ainda não sabe o que fazer para salvar um dos maiores símbolos do Egito.

Localizada na região do Cairo Islâmico está outra grande atração: a Citadela. Sua mesquita de alabrasto e a vista da cidade de lá de cima valem a pena o ingresso de 40 libras egípcias.

Saladino contruiu a fortaleza no ano de 1176. No decorrer dos séculos a fortaleza ganhou outros prédios e até um palácio. A mesquista de Muhammad-Ali demorou 24 anos para ser construída sendo finalmente terminada no ano de 1824. A Mesquita Azul de Istambul serviu de modelo para esta construção.  

No seu pátio interno, está um relógio que nunca chegou a funcionar. Ele foi um presente do Rei Luis Felipe em troca do obelisco que enfeita a Place de la Concorde em Paris até hoje.

O interior da mesquita é de alabastro, daí o seu nome. O túmulo de Mohummad-Ali também está ali.

Vista do Cairo da Citadela

A segunda maior atração da cidade é sem dúvida o Museu Egípcio. Ele é dividido em dois andares com vários destaques como a paleta de Narmer que simboliza a união do Alto e Baixo Egito sendo esta a peça mais antiga de todo o museu. Outra peça famosa é a única estátua do faraó Queóps ( infelizmente é uma estátua em miniatura ).

No andar de cima fica a ala de Tutancamon. Deixe esta parte para o final para fechar com chave de ouro. E  por falar em ouro, isto é o que mais se vê nesta ala. Tudo é muito impressionante, seu trono, a mascára mortuária de ouro maciço, seus sarcófagos de ouro, enfim, tudo que foi achado na sua tumba está ali. É indescritível estar cara a cara com todos estes ícones dos livros de história.

 

Na verdade Tutancamon não foi um faraó relevante, só governou 8 anos, dos 10 aos 18 quando morreu de forma misteriosa. A sua fama se dá pela descoberta da sua tumba intocada. Já pode-se imaginar como teria sido a tumba do grande faraó Ramsés II por exemplo.

 

 

 Há também a Sala das Múmias Reais que tem um ingresso a parte (100 libras egípcias ), apesar do preco alto, vale muito a pena estar “cara a cara” com alguns dos grandes faraós de Ramses II até a faraó Hatschepsut .

Fotos sao proibidas no museu e turistas têm que deixar as cameras na entrada.

O museu está na sua capacidade máxima e um segundo prédio está sendo construído perto das pirâmides.